Do fim para o princípio

Faço sempre a mesma asneira: há desenhos que começo a fazer nas últimas páginas do caderno - como estes - e depois até me esqueço que os fiz. O mais estúpido é que nem eu sei qual é o criterio . ...São desenhos mais pessoais, que prefiro que as pessoas não vejam? Nao.
...São desenhos mais rápidos, que resultam só um esboço? Não.
...São experiências de materiais? Não.
Se calhar tem unicamaente a ver com a disposição no momento , com a confiança na minha capacidade para agarrar as coisas que me proponho e com o grau de contentamento com os meus desenhos.
 "Ah, isto vai ficar uma porcaria...é melhor fazer aqui no finzinho."
Pois, acho que é isso!
Estes dois estavam no dito finzinho: um  feito na entrada do Musée des Artes, outro na Place Royale.





Tradições

O Alain é um homem grande. É muito alto, tem engordado com a idade e, com o seu imenso sobretudo, é uma figura imponente, Sendo um arquitecto com funções muito importantes na recuperação da Ilha de Nantes, é diversas vezes cumprimentado - Bonjour Mr. Bertraind - enquanto passeamos pela cidade ou vamos ao mercado comprar ostras. À noite , porém, estendido na sua chaise- longue e em pantufas, perde monumentalidade. A Annie é a sua mulher. É muito magra, loura e  tem olhos claros. Tem uns extraordinários óculos pretos hexagonais (que usa na maior parte das vezes na cabeça) e é tão simpática quanto ele. Tal como fazia a minha avó ao meu avô, não o deixa comer disparates, vigia-lhe a grossura das fatias de queijo e lança-lhe olhares fulminantes quando ele quer repetir. Só compra produtos Bio e cozinha as suas próprias barrinhas de sem glúten.
À noite, depois de jantar, ficamos  na sala e a beber chá e a conversar e ...a desenhar! Como são maravilhosos os fins de semana em Nantes.

Um fim de semana em Nantes

Não há Janeiro que se preze sem um fim de semana em Nantes:))
 Obrigada Annie e Alain!







Pessoas de Dezembro

Atarefadas no Ikea, em compras de Natal de última hora:

...e em descanso, a aproveitar o sol de Inverno, numa esplanada na Sidónio Pais!


USkP no DN de 30 de Dezembro

Duelos desenhados no Desenhar Contigo

Este foi um dos meus desenhos preferidos do ano. Foi esta 6ª feira, e deu muito prazer fazer. Bom ano para todos, e também para o Desenhar Contigo. Obrigada pelo meu retrato. Adoro!



A abobrar, depois da consoada...


O eterno "drama" do café no dia 25

Nas Azenhas não há cafés abertos dia 25. Na Praia  das Maçãs  também não. 99% dos da Praia Grande dizem que só abrem para almoço. Este pode ser feio, mas está aberto! E com um caderno na mão, qual é o café que é feio?

Noite de Natal

As famílias são todas diferentes, mas há ciclos e etapas pelos quais todas passam.
Uma etapa difícil é a do luto, que o Natal parece ter o poder de reactivar.
De facto, é nesta época que mais sentimos a falta dos avós, dos bisavós, dos pais, ou de outros elementos que em tempos nos foram tão queridos. Felizmente as famílias crescem, reconstroem-se, multiplicam-se, vão aparecendo filhos, netos, e outras pessoas de quem gostamos muito e com as quais construímos novas memórias. É este afecto pelos novos elementos  que nos ajuda a superar as perdas dos mais velhos, de quem passamos a lembrar-nos com mais serenidade.
É por isso que gosto, não só do Natal, mas de outras ocasiões em que as famílias se juntam, criam bons momentos e boas memórias. Ontem, depois do jantar, os sofás encheram-se de guitarras, tambores, pianolas e outros instrumentos. Foi um bom momento de família, por isso escolhi-o para meu contributo no desafio USkp deste mês.  


10 minutes sketch

Ando com saudades de desenhos assim: muito rápidos e saia o que sair!Sem preocupações! Este foi na esplanada onde vou beber café nas pausas do consultório. É na Sidómio Pais, esquina com a Fontes Pereira de Melo.

Mix

Às vezes gosto deste exercício: uma parte do desenho é real, é feita à vista, na rua, num verdadeiro urbansketching. Depois apetece-me inventar, compôr, imaginar, fazer outra coisa. Qual será a senhora real?

Na Catedral, sob as dicas de Lapin

No workshop do Lapin, durante a Compostela Ilustrada, a proposta era fazer um desenho por planos, que deviam ser separados por cores, tons, ou qualquer outra coisa. Escolhi tons frios para o primeiro plano, quentes para o segundo. E as pessoas, com um registo diferente.

TAU

A descrição do João Santos é certeira. Olhar à volta, escolher a presa e tau, desenhá-la. Por vezes, no fim, gosto de ir mostrar. Mas só quando há tempo,  quando as pessoas têm  um ar simpático, ou quando são  velhotes ávidos de dois dedos de atenção. Noutras vezes, como neste desenho, nada disso acontece. 
12 minutos é o tempo de secagem das máquinas das lavandarias. 
12 minutos para fazer um desenho, com o supremo desafio de que a pessoa não se aperceba de que está a ser desenhada. Todos sabemos os truques: toca de semicerrar os olhos, olhar atentamente para o que está em redor, fingir um genuíno interesse, neste caso, pelas máquinas de lavar. 
Ah, mas, em tão pouco tempo o desenho  não vai ficar bem! Paciência, faz-se na mesma!
E é assim, desenho a desenho, página a página, que guardamos a vida das cidades nos nossos cadernos que, talvez um dia,  venham a ser  testemunhos reais dos hábitos e dos costumes da nossa sociedade.
Não é um desafio incrível?



Ruas, objectos, museus... um bocadinho de tudo

Gosto muito de desenhar, mas sou muito trapalhona. Às vezes faço um esforço, tento melhorar a composição, procuro desenhar melhor as letras ...Na verdade, não sei se vale a pena mas pelo menos sabe muito bem tentar!


Catedral - Pormenores irresistíveis





Hospedaria San Martin Pinário

Ao fim da tarde, o hotel vai-se enchendo de peregrinos que vão chegando, mais ou menos cansados

Desenhando a Real Filarmónica da Galícia

Santiago Rios  é um engenheiro de minas que gosta de desenhar ao vivo, nos concertos a que assiste. No seu Workshop da Compostela Ilustrada,  propôs que desenhássemos o ensaio geral  Filarmónica da Galicia da Carmen, com projecção simultanea da "Carmen" de Cecil B.deMille e da "Paródia de Carmen" de Chaplin. Foi um desafio difícil, não tanto por não haver luz, ou por os músicos estarem longe, ou serem muitos,  mas porque foi  uma experiência  verdadeiramente emocionante  e tão bela que, se  apetecia muito registar, apetecia tanto ou mais disfrutar, sem ter que gerir os pinceis, as canetas, aguarelas ou, melhor dizendo,  para  a tralha toda!




:D ...:D...:D TV Galicia !

Fins de tarde no Café Bistro

Adoro grandes cafés em madeira, aconchegantes e, em Espanha, sempre muito barulhentos...

Ivan e Koto, um casal que assim que nos viu a desenhar, mostrou também os seus desenhos pois, afinal, também eles eram participantes no Compostela Ilustrada

Andando pelas ruas

Sentadinha a beber una caña com a Fernanda e com a Ana Luisa Frazão e o seu marido...

 Ou a ver a noite  cair na Plaza Quintana...

...tudo é um bom pretexo para desenhar!









Las cubiertas de la Catedral

No sábado de manhã, no âmbito da Compostela Ilustrada, tive a sorte de orientar um Workshop nos telhados da Catedral de Santiago de Compostela. Fiz alguns desenhos durante uma primeira visita guiada  num dia anterior, que tive que aguarelar mais tarde pois não era permitido afastar-me do grupo de visitantes. O último, fiz no  próprio sábado, em conjunto com os simpáticos desenhadores que se inscreveram no meu grupo. 
Posso dizer, com toda a certeza, que foi uma experiência verdadeiramente inesquecível!



São Pedro de Moel

Eu e a Sofia saimos no sábado ainda de madrugada. Depois de um dia a desenhar nalgumas estradas do centro do país chegámos, já quase noite, a São Pedro de Moel. O ameno e colorido pôr do sol contrastava com o negro a que se resume agora o pinhal de Leiria. Não resistimos. Em silêncio, desoladas, cada uma de nós  atirou-se furiosamente ao seu caderno.



NÃO VAMOS ESQUECER

Senti-me desolada, inconformada, triste e revoltada com o modo como os incêndios deixaram o nosso país. Mas senti-me acima de tudo impotente. E irritada porque, se a memória não me atraiçoa, sei que nos esquecemos todos muito rapidamente destas coisas, porque não estamos lá. Basta outro tema ser posto em palco e zás, esquecemo-nos!
E foi assim que me pus a caminho. "Mas o que vais fazer com isso?" perguntavam-me. Não sei, mas alguma coisa tenho que fazer".
Lembrei-me então que se algum jornal ou revista publicasse os meus desenhos sobre incêndios durante um longo período de tempo, isso poderia  ajudar  alguém a não esquecer.
E muito melhor seria se  todos, de norte a sul,  fizessem um desenho in loco sobre um incêndio, um rescaldo, uma aldeia, uma vítima ou uma comunidade atingida e se todos eles fossem publicados. Juntos seriamos mais fortes.
O Público online aceitou publicar os nossos desenhos, um a um, durante tanto tempo quanto possível.

Porque é sério, porque é grave, desta vez  NÃO VAMOS ESQUECER!


Entre o Porto e Caminha

Póvoa do Varzim
Leça da Palmeira


Vila do Conde



O jardim da Compave

Em dias de tédio, vou à varanda, ou desço lá abaixo, com pinceis ou canetas escolhidas quase à toa, e desenho o jardim, às três pancadas. . A Compave, como é chamado. As memórias deste síto exigem que um dia faça um desenho melhor. Por enquanto, só saiu isto...um amontoado de coisas que se mesclam e sobrepoem confusamente. Como as memórias, talvez...