Martim Moniz II, ou "Quem anda à chuva molha-se!"

Os desenhos estavam-me a correr muito mal, a chuva não estava a ajudar e estive quase a desistir.
Ao longe, vi a Paula Cabral abrigada debaixo de um toldo, a desenhar calmamente uma das "bancas" da praça do Martim Moniz. Fui para o pé dela e desenhei a banca ao lado. Estava frio e havia pouca luz mas, ainda assim, fiz as pazes com o caderno...

Depois, em casa, tentei salvar o primeiro desenho, pondo aguarela no papel naturalmente molhado...