Vidas...

Quem me dera tê-lo feito in locco, mas não. Era impossível desenhar ali, naquele instante. Tirei então uma fotografia porque sabia que um dia me iria apetecer desenhá-la.
Porquê? Não sei... Talvez porque é isto que mais gosto de desenhar:  pedaços do quotidiano,  fragmentos de personagens, detalhes de um todo que gosto de imaginar, pormenores que deixam adivinhar idades, nacionalidades, histórias, estratos sociais, culturais, casas, funerais, famílias, colchas, naperons, rotinas diárias. Numa breve palavra: vidas!